Wednesday, July 12, 2006

Tudo isto existe, nem tudo é triste, mas tudo, tudo isto é fado - I


Powered by Castpost
Argentina Santos - Amar Não é Pecado


Para os que não amam fado, a solução é simples: basta não accionar o play. Mas devo dizer-vos que se é esse o vosso caso, estão em pecado mortal. Há sempre tempo para redenção.
Esta senhora é embaixatriz do início do meu amor pelo país em que nasceu, há mais de oitenta anos. Foi ouvi-la e a minha postura de nacionalidade única foi pelo ralo abaixo.
Meu pai já me sondava há tempos, com o Carlos do Carmo. Na verdade, há muitos poucos fadistas homens que eu ame ouvir. Pouquíssimos. Mulheres, são várias. Mas esta senhora é única.
Nos últimos tempos, o fado voltou à moda. Quem diria... E regressa sobretudo (no sentido comercial) em vozes de meninas que seguem uma tradição inspirada provavelmente na Maria Teresa de Noronha, de família bem posta na vida. Quando a Noronha o fez, foi novidade. Porque o fado, nas suas raízes, está sobretudo associado a mulheres de reputação duvidosa (não sei de que duvidavam eles, mas lá que apareciam muitos tentando descortinar mistérios, ai lá isso apareciam). A história da mítica Severa ficará para outro dia. As coisas mudaram e hoje as fadistas já não são mal vistas. Bem ouvidas foram-no sempre, mesmo nos primórdios. Hoje em dia cantam-no meninas-bem. E algumas até o cantam bem. Nada, absolutamente nada contra.

Há mistérios na vida, e o saber cantar o fado é um deles. A boa voz tem muito pouco a ver, em alguns casos esta premissa ausenta-se, some-se nas vielas onde ainda mora gente, por quanto tempo desconheço. Quanto tempo até que Lisboa esteja desumanizada por completo? Em que se resuma a tascas de frequência turística e escritórios de seguradoras e advogados? Mas, dizia eu, a voz é relativa. Alfredo Marceneiro prova-o com excelência.



7 comments:

quel said...

Cantar o fado e amá-lo não é questão de voz ou de ouvido: é coisa do destino. O fado é uma dessas heranças de família que nada têm a ver com o dinheiro. E o fado é sábio: chega na hora certa na vida da gente.

Ali la Loca said...

Esse post acabou de me lembrar que PERDI o show da Marisa aqui em Maputo!!!! Tinha visto um anúncio na TV um mês atrás dizendo que o show era 09 de julho. Fiz um "mental note" para comprar ingressos... E agora com essa confusão de projetos e houseguests, eu esqueci completamente!!!!!

Que raiva!

Enfim, gosto muito de fado e até hoje nunca vi um show ao vivo.

_+*A Elite in Paris*+_ said...

Não sei se tens amigos franceses mas se tu te puseres a ouvir Mariza ficam todos a cair para o lado a dizer que é lindo, que a voz é fantastica :) nao sabia que em França sabiam tao bem apreciar a arte!

beijokas!

kanuthya said...

quel Explicar a palavra, o sentimento, a música...torna-se difícil como explicar saudade ou carinho :) Só vivendo, mesmo.

ali la loca A Mariza é muito jovem ainda, com certeza vais poder ouvi-la :) Há pessoas que abominam ouvir fado em discos, só o aceitam ao vivo. Tem o seu sentido :) A Mariza é moçambicana, cresceu...acho que na Mouraria, que também é um sítio maravilhoso para se crescer no fado :)

Jess, ufa, está muito calor para escrever o teu nick eheheh
a ironia do destino (refiro isso brevemente numa das partes destes meus posts obsessivos) é que a primeira vez que eu "vi" e ouvi a Argentina Santos foi num documentário LINDO, francês, Le Fado, presumo que digam Le Fádôooooo :)
Sim, eles amam...Mariza, Mísia, Cesária Évora então nem se fala, chama-na a diva dos pés descalços. Como diriam alunos meus, as lusófonas rulam! :)

Ali la Loca said...

Ainda não vi a Mariza (soletrei mal o nome dela na primeria vez), mas posso dizer com orgulho que vi a Cesária Évora ao vivo, num dos melhores shows da minha vida.

Foi na praia de Ipanema, ela se apresentou junto com Marisa Monte e Paulinho da Viola. E eu a dançar com os pés descalços na areia, de noite, ouvindo o mar, com aquelas vozes lindas!

Foi tudo de bom!!!!

_+*A Elite in Paris*+_ said...

Hahahaha, pois é, "canicule" ai não é? ainda bem que subi a tempo.

Olha, sinceramente, eu aprendi a apreciar Angola saindo de la. pelos meus olhos daqui. Como se eu tivesse varios pares!

Ali: cada vez mais admiro a tua pessoa :)

Ali la Loca said...

Obrigada, miss sweet romance!